A intolerância à lactose é genética?

intolerância-à-lactose

A intolerância à lactose tem causas genéticas e não genéticas, podendo vir à tona em qualquer fase da vida. Quer saber mais sobre o conceito  e como isso pode afetar a sua saúde? Leia aqui!

A intolerância à lactose é a incapacidade de comer laticínios sem ter uma reação adversa. Ocorre quando o corpo não produz o suficiente de uma enzima que ajuda na digestão dos açúcares encontrados no leite e em seus derivados – a lactase. 

Com a lactase em baixa produção, a lactose não digerida passa para o cólon, onde interage com as bactérias. Essa interação causa os sintomas típicos da intolerância à lactose, que são:

  • inchaço
  • gases
  • cólicas estomacais
  • diarreia
  • náusea
  • vômitos

As alergias ao leite, embora semelhantes, são menos comuns e apresentam sintomas com potencial para serem muito mais graves, como vômitos violentos, fezes com sangue e choque anafilático. Elas geralmente aparecem cedo na vida, enquanto a intolerância à lactose aparece na idade adulta.

A intolerância à lactose é genética?

Existem quatro tipos distintos de intolerância à lactose. Dois são geneticamente predispostos, um geralmente é temporário e o quarto é causado por doença ou lesão.

A intolerância primária à lactose é o tipo mais comum.

A maioria das pessoas é geneticamente predisposta a reduzir significativamente a produção de lactase entre as idades de 2 e 5 anos. À medida que os níveis de enzimas diminuem, os laticínios se tornam mais difíceis de digerir e os sintomas surgem. Esses sintomas podem não aparecer até a idade adulta.

A intolerância secundária à lactose é causada por uma lesão ou doença. Qualquer impacto negativo no intestino delgado pode causar menos produção de lactase. Doenças, como a doença de Crohn e a doença celíaca, são associadas a esse tipo de intolerância. Cirurgia, medicação ou quimioterapia também podem dificultar a produção da enzima, podendo ser uma condição temporária ou permanente.

A intolerância à lactose do desenvolvimento ocorre em bebês que nascem prematuramente. Geralmente se resolve depois que o intestino delgado está totalmente desenvolvido.

A intolerância congênita à lactose é o tipo mais raro. Ocorre quando um bebê nasce com pouca ou nenhuma produção de lactase no intestino delgado. Esse distúrbio genético só pode ser transmitido a um bebê se ambos os pais tiverem o gene mutado.

A genética da intolerância à lactose

O tipo de intolerância à lactose que uma pessoa sofre determina se os genes desempenham um papel genético ou não. Para a intolerância primária à lactose, a forma mais comum, a genética desempenha um determinado papel. Localizado no cromossomo 2, o gene MCM6 ajuda a controlar a atividade ou expressão do gene LCT.

A capacidade de tolerar a lactose depende do tipo de variante MCM6 que uma pessoa possui. O gene LCT segue as instruções fornecidas pelo MCM6 e produz lactase adequada para digerir o leite ou não o suficiente. Para bebês nascidos com intolerância congênita à lactose, o gene MCM6 é responsável pela pouca ou nenhuma produção de lactase ao nascimento.

Você pode se tornar intolerante à lactose?

A intolerância à lactose pode ser desencadeada por lesão, doença, medicação ou cirurgia. Ou seja, qualquer impacto negativo no intestino delgado pode desencadear a condição. 

Gostou do conteúdo? Baixe o aplicativo do meetat gratuitamente e fique por dentro de mais informações sobre restrições alimentares, dietas especiais e muito mais!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.